Omeprazol para o resto da vida. E agora?

Atualmente observamos que o paciente polimedicado recebe a prescrição de omeprazol para “proteger” seu estômago dos possíveis efeitos irritantes dos fármacos.

Bom, uma vez que apenas o médico pode retirar o fármaco prescrito, este texto vem no sentido de alertar os possíveis efeitos adversos que os farmacêuticos precisas estar atentos ao orientar estes pacientes.

O primeiro e mais famoso é a diminuição da absorção de vitamina B12, causada pela menor liberação do fator intrínseco a partir da célula parietal. Dentre os sinais da falta desta vitamina devemos ficar atentos ao cansaço associado a anemia e a sensação de queimação nas pernas devido a deficiência de mielinização de neurônios.

Sobre a tão propagada demência induzida pelo omeprazol, ainda prefiro manter a calma, mesmo sabendo que a falta de vitamina B12 está relacionada a prejuízos cognitivos e que existem trabalhos clínicos sugerindo a associação entre o uso de inibidores da bomba de prótons (IBP) e demência, especialmente em idosos.

Ainda com relação a idosos, especialmente as mulheres, é importante ter atenção com relação a osteoporose. Efeito adverso já relatado há décadas e que pode agravar a perda óssea relacionada a menopausa. Caso a paciente opte por suplementar cálcio, o melhor é o cálcio na forma de citrato, o qual é melhor absorvido e causa menos irritação gástrica. 

Claro que devemos orientar que apenas cálcio não é suficiente, lembrem-nos das vitaminas D, K2 e da importância da atividade física.

Pensando neste estômago com pH próximo de 3,5-4,0 “para o resto da vida”, gostaria de salientar a dificuldade de digestão de proteínas que ocorrerá. Digo isso porque o pepsinogênio é convertido em pepsina pelo ácido clorídrico (HCl) e assim, com menos HCl, menos pepsina e menos digestão de proteínas. E dai?!

Daí que as proteínas mal digeridas alimentarão as bactérias patogênicas do intestino e causarão disbiose. A partir daí virão as desordens de intestino, inflamação intestinal e sistêmica. O que fazer para proteger? Probióticos! (para este assunto procurem por Murilo Pereira no facebook ou @mvpnutricao no instagram!)

Bom, minha política é escrever textos curtos. Demonstre seu interesse nos comentários que continuo evoluindo sobre o tema.

Um abraço e vamos levar esta profissão para cima!

Comments (1)
  1. Fátima

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *